sexta-feira, 19 de maio de 2017

nas terras da alma das maçãs




eu sempre quis mover
com os olhos as camadas profundas
das porcelanas regentes de minhas mãos,
e as movo

nunca quis e sempre quis
ser uma lenda viva do rock,
bem modesto, nada modesto,
totalmente poeta,
homem de nada,
sorridente de tudo

absurdo aqui nesse agora,
eu, você, os candelabros,
as aves-labaredas

meus reis pés se plantam
nas terras da alma das maçãs,
nos cabos que prendem as letras
nas linhas dos que escrevem

( edu planchêz )

Nenhum comentário:

Postar um comentário

gigante de fogo

livre dos cordões, das serpentes, do que já foi, do que evapora-se, do que explode bem longe o espelho, ao espelho, no espelho, para ...